segunda-feira, 11 de janeiro de 2010

Conjuro da Queimada Celtibérica


Slania tei!

Falei há algumas semanas sobre a tradição da Queimada, que é uma poção mágica galega de raiz céltica, e aproveito o ensejo para apresentar um conjuro que compus, onde são invocados os Deuses celtibéricos e lusitanos, durante o conjuro no ritual da Queimada. A poção pode ser preparada da mesma forma, mudando-se apenas o conjuro:

CONJURO DA QUEIMADA CELTIBÉRICA

"Nesta Noite eu acendo o Fogo,
Misturo as ervas, o mel e a aguardente,
E invoco os Deuses de nosso Povo!
Pelos Ventos,
Pelo Sol,
Pelo Mar e
Pela Terra,
Pelos Deuses Eternos!
E por este Fogo Sagrado,
Eu conjuro os espíritos que vagam e nos enganam e atormentam,
E também os feitiços dos inimigos, a inveja e o mau olhado,
Coisa arriada ou coisa feita,
Coisa enterrada, coisa aguada,
Coisa queimada, coisa soprada,
Coisa dita e maldita,
Coisa amaldiçoada!
Eu vos conjuro!
Fantasmas, espíritos perdidos, revoltados e malignos,
Eu vos conjuro
A vir diante deste Fogo aceso em nome de Bríghida, a Grande Druidesa,
Senhora do Fogo Sagrado,
Conjuro-vos em nome de Lugo nosso Pai, Grande e Sábio Druida, Senhor do Raio que nos abençoa e guia,
Conjuro-vos em nome de Badb, Deusa Soberana, Senhora dos Corvos de Batalha, nossa Mãe, que nos é favorável e nos dá a Vitória,
Conjuro-vos em nome de Nábia, Deusa das Águas que nos purificam e abençoam,
Conjuro-vos em nome de Reva Laraucos, que nos ilumina do Alto Céu,
Conjuro-vos em nome de Bandua e Bandonga, que protegem as Leis de nosso Povo e os Laços Sagrados de nossa Casa e de nossa Gente, que nos unem e fortalecem,
Conjuro-vos em nome de Trebaruna, que protege nossa Casa e nos dá coragem e vigor de Guerra,
Conjuro-vos em nome de Trebopala, que protege o pão nosso de cada dia e nossa comunidade,
Conjuro-vos em nome de Arentio e Arentia, que protegem nosso Povo e a porta de nossa morada,
Conjuro-vos em nome de Drusuna, Ebúrio, Cabar, Carneo, Cepo, Ilurbeda, Vosego, Dana e todos os Deuses e Deusas da Terra,
Conjuro-vos em nome de Aerno, Dercetio, Reva e de todos os Deuses e Deusas dos Ventos e das Alturas,
Conjuro-vos em nome de Candâmio, Vordo, Taránis, Candeberônio, Cosua, Carioceco, Neitos, Banduaetobrigo e de todos os Deuses e Deusas da Guerra, do Fogo e da Luz,
Conjuro-vos em nome de Nábia, Tongoenabiago, Deva, Deganta, Munídia, Coventina, Bormânico, Lir e de todos os Deuses e Deusas de todas as Águas,
Conjuro-vos em nome de Lébo, que os prende e os traz aqui e agora,
Conjuro-vos em nome de Crouga Magareaigo, que os revela diante de nós,
Conjuro-vos em nome de Aturro, Senhor das Chaves do Submundo,
Que abre as Portas da Escuridão e os revela inteiramente, amarrados, vencidos e desmascarados diante de nós,
Conjuro-vos em nome de Endovélico, de cuja Luz e Sabedoria nos vem a libertação de todo mal visível e invisível,
Conjuro-vos pelo Tríplice Poder de Atégina, Senhora da Terra, da Lua e do Submundo,
Que os derrota, os amarra e os traz rendidos diante deste Fogo Sagrado
Aceso em nome de Todos os Deuses de nosso Povo,
Os Deuses que sempre nos são favoráveis!
Eu vos conjuro aqui e agora, ó Força Destruidora da Vida!
Ó vós, Vento Frio da Morte, eu vos conjuro!
Ó vós, Medo Escuro, eu vos conjuro!
Ó vós, Triste doença, eu vos conjuro!
Ó vós, Ferimento Dolorido, eu vos conjuro!
Ó vós, Dor de Amor, eu vos conjuro!
Ó vós, Ferida na Alma, eu vos conjuro!
Ó vós, Má Sorte, eu vos conjuro!
Ó vós, Feitiço Maligno e Inimigo, eu vos conjuro!
Ó vós, Maldição Proferida, eu vos conjuro!
Ó vós, Praga Rogada, eu vos conjuro!
Ó vós, Violência do Inimigo, eu vos conjuro
Ó vós, Roubos e Assaltos, eu vos conjuro!
Ó vós, Rancor Nefasto, eu vos conjuro!
Ó vós, Mau Olhado, eu vos conjuro!
Ó vós, Espíritos Perturbadores, Inimigos e Hostis, Visíveis e Invisíveis,
Seja Fogo Vivo ou Fogo Morto,
Eu vos conjuro para que queimem Aqui e Agora nesta Queimada!
Esta, que é feita com aguardente, mel e ervas mágicas,
Tomai e Bebei, pois estas ervas são boas para ti, estas para ti as tome,
E que ao beber esta Poção,
Sejamos livres de todos os males de nosso Corpo, de nossa Alma e de nossa Vida!
E assim como nós aqui presentes,
Que sejam também libertos, bentos, protegidos e abençoados
Todos os nossos Amigos que estão fora,
Mas que com a Graça de nossos Deuses, participam conosco desta Queimada!"

( seguem-se gritos de alegre algazarra )

Citei no conjuro os termos "Fogo Vivo e Fogo Morto". Em Bruxaria Portuguesa, refere-se à origem de um dado mau que a vítima sofre: se for advindo de energias nefastas da inveja, do mau olhado e do mau querer de alguém que lhe deseja mal, é Fogo Vivo, pois se trata de um mal enviado por pessoa viva; e se for advindo de energias emanadas por espíritos desencarnados, fantasmas, que perturbam através de assombrações, e mesmo através de feitiços de destruição ( onde tais espíritos são empregados, para se causar mau a alguém ), aí se denomina Fogo Morto.

E quando me refiro a "coisa arriada, coisa feita, coisa enterrada, coisa aguada, coisa queimada, coisa soprada, coisa dita e maldita, coisa amaldiçoada", o termo "coisa" é usado pra designar seja lá que tipo de rito, feitiço ou malefício que tenha sido feito, em qualquer dos elementos da Natureza.

Bendiciones delos Dioses Nuestros!!!

Matubuta tei

/|\

A Runa do Mestre



Slania tei!
A Runa do Mestre é uma Invocação Ritual e Poética ao Deus Chifrudo das Bruxas Lusitanas, Cabar ( ou Kabaros ), Deus Bode, associado ao negror da Terra e à Luz do Saber. É vinculado a demais Deuses Cabríos, como o Akerbeltz dos bascos, o Azazel dos mouros, o Bucca dos cornualeses, etc.

É o Fauno Negro da Encruzilhada, o Mestre que nos guia pelos caminhos tortuosos do mergulho em nossa própria Escuridão...para que somente assim, reencontremos nossa essência mais interna, e possamos renascer plenamente para a Luz do Espírito, representada pela Chama que arde entre Seus Benditos Cornos...

RUNA DO MESTRE

"Eko, Eko Kabaros Lucíferos
Bode Negro que a Luz encerra
Mestre Bruxo vinde, eu vos chamo
Pai Nosso que estás na Terra!
Louvado seja Seu Nome e Poder
Venha a nós o Vosso Aquelarre!
Seja feita a minha vontade
Una com a Vossa
Em Potência e Poder!
O Pão e o Vinho nossos nos dai sempre
Senhor da Serpente, do Corvo e do Crânio,
Bode Negro, Portador da Luz,
Cuja Dança, Sagrada e Profana,
Me santifica, perde e seduz!
Tu que se ergues, Bendito Phalo,
Prazer e Deleite
Crisma e Saber
Bode Acima, Bode Abaixo
No Crepúsculo e no Alvorecer,
Deus Amante, Cigano e Errante
Contigo, agora, eu quero ter!
Senhor Guardião da Encruzilhada,
Mestre, Pai, Irmão e Consorte
Fauno da Negra Gargalhada
Na Treva e na Luz, Tu és Minha Sorte!
Eko, Eko Kabaros Lucíferos
Bode Negro que a Luz encerra
Deus Bruxo, Mestre e Amante
Pai Nosso que estás na Terra!”

- Runa do Mestre - de Raven Luques McMorrigú.

( a gravura do Deus Cabar - Kabaros - é também de minha autoria )

Bendiciones del Cuervo y del Aker...